Cadeia de Moda busca soluções em TIC para melhorar operação, gestão e experiência do consumidor

Com mais de 26 mil empresas no estado do Rio, a indústria de moda tem demandas por tecnologias que melhorem seus processos produtivos e a experiência do consumidor, o que pode fomentar a cadeia de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC).

No segmento de vestuário, o grupo S2 Holding, detentor das marcas Cantão, Redley, Kenner e Bisi, busca soluções que vão desde a automação industrial das fábricas a sistemas que facilitem o processo de compra dos clientes nas lojas.

Alexandre Nogueira, gerente de TI da S2 Holding, ressalta que o objetivo é potencializar as tecnologias nas atividades que podem aumentar as receitas e, por outro lado, otimizá-las de forma a reduzir os custos. De acordo com ele, há desafios tanto nas lojas e na fábrica quanto no atendimento a obrigações legais, como Bloco K e o eSocial.

“Buscamos parceiros em TI que possam trazer soluções. Apresentamos oportunidades para sistemas que proporcionem melhorias na experiência do consumidor no varejo e diminuam os custos, com a automação industrial, no processo industrial ”, disse Nogueira.

Pertencente ao setor têxtil, a Hak Aviamentos decidiu expandir seus negócios para atender o mercado de bolsas, calçados e as indústrias naval e automotiva. O reposicionamento demandou investimentos em tecnologia, como a reestruturação do sistema de gestão.

Para 2017, segundo o responsável de Infraestrutura de TI da companhia, Joanes Castro, a empresa busca hardwares para atualização do parque de servidores e, principalmente, soluções em telecomunicações. “Nosso maior desafio para o próximo ano será implantar esse novo sistema. Esperamos, com esses investimentos, ter resultados melhores e qualidade de informação para decisões mais assertivas”, explicou.

Já a empresa Pouquet, também responsável pelo Portal da Bolsa, do segmento de Bolsas, Calçados e Acessórios, tem como principal demanda soluções para integração de plataformas dos canais de vendas. “Nosso foco em TIC é ter sistemas que atendam a esse desafio. Manter a competitividade significa proporcionar uma experiência sensorial de compra perfeita por meio de todos os pontos de contato com o cliente”, afirmou Flávio Stützel, gestor do Portal da Bolsa.

As oportunidades foram apresentadas no seminário Conexão TIC: Cadeia da Moda, que tem como objetivo fomentar negócios para as empresas de TIC fluminenses, abordando as demandas de outros setores por produtos e serviços em tecnologia. O evento também contou com uma apresentação para contextualizar a indústria da moda no estado do Rio.

De acordo com Ana Carla Torres, coordenadora de desenvolvimento Setorial do Sistema FIRJAN, há mudanças em curso no setor que irão impulsionar parcerias com as empresas de TIC. “ As tecnologias serão absorvidas de forma cada vez mais rápida pela cadeia, pois já estão muito disponíveis e conhecidas pelos empresários.  Soluções que apoiam as análises de informações e gestão de operação são fundamentais para a competividade”, declarou.

Para Felipe Meier, vice-presidente do Sindicato da Indústria Eletrônica, de Informática, de Telecomunicações, de Produção de Software, de Produção de Hardware, de Produção de Produtos Eletroeletrônicos e Componentes no Estado no Rio de Janeiro (Sinditec), há muito potencial para negócios entre os setores de moda e TIC. “A informática está na vida de todos e presente em diversos segmentos. Na moda não é diferente. Temos possibilidades interessantes de parcerias”, observou.

O Conexão TIC: Cadeia da Moda, promovido pela FIRJAN e o Sinditec, aconteceu em 8 de dezembro, na sede da Federação.

Fonte: Firjan

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *